sábado, outubro 28, 2006

Que fastio de estio tardio

Quem ler este título pensa que está dado o mote para uma extensa dissertação poética naturalista sobre a natureza que no meu tempo de vida seria imcompreendido e considerado naive, mas que após eu ter fenecido me granjearia um espaço no panteão de escritores nacionais...mas como eu não tenho capacidade para tal diria somente que:


Quem diz que o sol é vida dever-se-ia lembrar que a chuva não provoca cancro!