quinta-feira, setembro 07, 2006

Acerca da minha recente estadia neerlandesa

Eu penso não ser necessário escrever uma enxurrada de posts a comentar o quanto gostei de Amsterdão e de lá ter estado (ao ponto de pensar que seria feliz vivendo lá), a comentar o quanto me identifico com a mentalidade de um povo, que além de ser o mais tolerante é também o mais simpático, - o que não deixa de ser incrível, dado o facto de serem germânicos - acessível e genuíno que conheço (e eu conheço alguns poucos povos), ou ainda a elogiar a beleza natural e humana da cidade, com os seus 200 e poucos canais, milhares (sim, milhares!) de pontes, fachadas arquitectônicas a imitar século XVII, com casas tão estreitas que a fachada apresenta quase em todos os casos uma roldana, meio tradicional de transportar móveis para o interior, ou ainda a louvar a loura, longilínia beleza das nativas.

Em vez de isso, eu vou indicar só alguns pontos:

Em primeiro lugar, o nível de vida. Nós portugeses, pessimistas natos que somos, temos sempre aquela idéia que estamos muito mal e que os gajos do norte da Europa são muito ricos! De facto, ganham bem. Desconheço o salário mínimo mas não deve, não pode ser menos que €1.000,00 por mês, i.e., a empregada indonésia ou surinamesa que limpava o meu quarto devia ganhar à vontadinha o dobro do que eu ganho! Eles ganham mais, mas gastam muito mais. De uma garrafa de águas de 25 cl a €4,oo a um grama de White Widow a €15,00, os preços lá são faraônicos!
É facto que têm melhor nível de vida, muito melhor mesmo. Mas tal deve-se não aos salários que auferem, mas à certeza de terem sistemas de Educação, Justiça, Saúde, Segurança Social...que funcionam!

O marketing de cidade! Vou fazer de Michael Porter, e outros gurus da Finança e Economia, que volta e meia o governo luso de turno paga principescamente para debitar meia-dúzia de frases feitas que qualquer gajo com meio-palmo de testa conseguia deduzir, e dizer que "Lisboa tem que ser mais puta!".
Amsterdão é uma bela e loura mulher na vitrine, que se sabe vender! Uma vez que Lx é a única cidade portuguesa de expressão europeia (excepto por não ter, ao contrário do Porto, um clube de futebol de nível mundial), bem podia seguir o exemplo da capital (oficiosa) da Holanda, que é (como Lisboa), uma pequena metrópole, capital de um pequeno país!

Lisboa devia-se promover no exterior, e ter para os turistas que estão aqui uma oferta ainda mais diversificada do que já tem de recordações/paneleirices típicas, apostando-se forte na criatividade (para os turistas, a noção de ridículo está esbatida e o bom-gosto não é necessário). Por exemplo, Amsterdão, em vez de produtos com o estafado I Love (coração) Amsterdam, tinha por toda a parte: I Amsterdam! Simplesmente genial!
Mas claro que vários pontos jogam contra nós! Primeiro (como no real estate americano), o importante é localização, localização, localização! Lx é periférica. Amsterdão é uma cidade que pode facilmente, graças à sua localização na costa do calmo Mar do Norte, receber visitantes da Bélgica, Alemanha, Luxemburgo, e também da França, RU e países escandinavos. Quanto a isso, nada a fazer. Mas a Holanda soube vender os seus artigos pitorescos e tradicionais (os tamancos, os moinhos, as tulipas...). Riam-se de mim, mas para a nossa economia não era nada mal se conseguíssemos exportar e dar a conhecer cada vez mais conceitos como o Galo de Barcelos, o monge e os caralhos das Caldas, o manjerico, se conseguíssemos exportar a francesinha, sem deixando de apostar (claro está) no vinho do Porto, no Rossé e outros vinhos.

Outra vantagem que Amsterdão tem é ter algo que a diferencia das outras cidades: no caso, a prostituição (sexwerk), e drogas leves despenalizadas, e sobretudo aceites e mesmo banalizadas (e também com um ambiente totalmente seguro, limpo e não decadente). Não vou defender neste post estas legalizações (embora se conhecem a minha mentalidade, sabem que eu acho isso tudo muito bem), só queria aqui definir como é importante para uma cidade ser reconhecida no exterior ter um qualquer elemento diferenciador. No caso de Lisboa, tirando as casas de fado, que eu não acho mal, mas não são tão apelativas como o Red Light District, só se se apostar nas toiradas. Mas (FELIZMENTE!!) a maior parte dos turitas já deixou de ver o ..desporto...praticado em Portugal, Espanha e Euskadi francês como algo de típicamente interessante para o ver como uma brutalidade, própria de bárbaros sanguinários. Em vez do "Legalize it!", a Holanda tem produtos com a folha de cannabis e a inscrição: "Amsterdam! It´s legal!". Não sei porquê, mas um cinzeiro com o desenho de uma cabeça de touro e as orgulhosas palavras: "Lisbon! It´s legal!" não deveria ter a mesma força....

Outra vantagem de Amsterdam sobre Lisboa é a cultura. Portugal nunca teve cultura, exceptuando a literatura (a Inglaterra também não é muito superior nesse ponto...).
Amsterdão tem Rembrandt, Vermeer, van Gogh e museus repletos de pinturas desses mestres!
Portugal não tem Rembrandt, nem van Gogh! Não tem um Gaudí, um Picasso, um Dali, um Miró como a Catalunha, por exemplo. Já nem vou falar de Paris...Lisboa tem, pelo menos um Pessoa (e já não é pouco!), e sou da opinião que até aproveita bem a imagem dele. Porém um livro não é tão imediato como um edifício ou como a De Nachtwacht
Amsterdão também tem (ao contrário de Lisboa) um edifício de renome internacional como a Casa de Ann Frank...

Mas as principais vantagens da Holanda é algo que poderia estar nas nossas mãos conseguir (ou não).
Primeiro as ruas não têm lixo NENHUM!!!!
Segundo, não se veêm pobres na rua!!!!
Terceiro, um turista dirige-se a qualquer loja, café, restaurante, polícia, taxista, transeunte, e tem a certeza que eles vão conseguir falar em inglês, e sempre de uma forma amável, educada, e mesmo extrovertida e bem-humorada!!!
Tudo isso é óbviamente o resultado de um nível de educação elevado associado a uma mentalidade ímpar (e weed q. b. pelo meio...)

7 Comments:

Anonymous astropastor tornou público que...

Ahhh fadista. Certo, como sempre. Ou melhor as always.

1:32 da manhã  
Blogger magicgypsy tornou público que...

Nós aqui no Minho temos mil e uma coisas para oferecer aos turistas ( e simpatia é uma delas).Talvez se apostassem no turismo rural e religioso mais gente cá viesse. Ninguém quer vir cá e ver as mesmas coisas que em outros sítios. Cada região tem o seu encanto e não se pode render a falsas noções de "cosmopolitismo".

2:54 da tarde  
Blogger Sergy tornou público que...

Eu por mim gosto bastante do Minho!

3:40 da tarde  
Blogger Acqua di Ju tornou público que...

Olá!
Cruzei-me com os teus textos quando andava à procura de um conceito denominado"perspectiva temporal de futuro". apesar do teu texto não estar relacionado com o que procuro, acabei por ir ficando e ler alguns textos.Gostei! Amesterdão é uma das minhas cidades favoritas. adoro a dinâmica da cidade, a sensação de que as pessoas têm sempre tempo para tudo, que podem ter filhos e passeá-los. gosto da forma como abrem as cortinas das janelas para que possamos espreitar, como se deslocam na cidade. e depois, o tanto que há para ver. recordo-me de ter ficado absolutamente rendida ao encanto do Museu etnográfico e ao Foam.
A vontade de viajar é recorrente, constante, necessária.

4:07 da tarde  
Blogger W. tornou público que...

Hum... Quererás porventura tu tomar o lugar do senhor Porter? É que não podes acertar nos prognósticos! Senão não voltam a contratar-te...

7:51 da tarde  
Blogger pvnam tornou público que...

«mini-spam»
Reivindica o SEPARATISMO na Europa!!!

--- Todos Diferentes!... Todos Iguais!...
--- Isto é, todos os Povos do Planeta - inclusive os de menor rendimento demográfico, inclusive os economicamente menos rentáveis - devem possuir o Legítimo Direito de ter o SEU espaço no Planeta.
-----> Exceptuando os Nacionalistas [são os 'Patetas-Histéricos' do Planeta], toda a gente sabe que os Europeus são os Maiores Palhaços-Éticos da História da humanidade... NO ENTANTO... existe uma MINORIA de Nativos Europeus [que pretende estar no planeta, com Dignidade, Coragem e Determinação, a lutar pela sobrevivência da SUA Identidade Étnica] que possui todo o Direito de reivindicar o Legítimo Direito ao Separatismo:
-> a constituição de Espaços de Reserva Natural - para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones.
{ ver: separatismo-50 }



--- Os Povos de Boa Vontade não têm nenhum problema em reconhecer o Legítimo Direito ao Separatismo -> para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones.
--- Pelo contrário, os Predadores Insaciáveis [imigrantes e filhos de imigrantes] - como pretendem Ocupar e Dominar mais e mais territórios - não aceitam aceitam que os Povos Autóctones possuam o SEU espaço no Planeta.


--- Os Predadores Insaciáveis [imigrantes e filhos de imigrantes] são apoiados:
-1- Pelos Capitalistas Selvagens: eles pretendem realizar uma SUBSTITUIÇÃO POPULACIONAL na Europa: a Europa deve passar a ser ocupada e Dominada por Povos[Raças] de maior rendimento demográfico; logo, economicamente mais rentáveis;.
-2- Pelos Palhaços-Éticos europeus [o Parasita Branco que domina a Europa]: eles promovem o Multi-Culturalismo Local... quando o seu objectivo é tão somente branquear a sua Parasitagem no Planeta: como não constituem uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica... consequentemente, como é óbvio,... quem está a garantir os pagamentos das Pensões de Reforma são os ESTRANGEIROS!!! Como consequência desta situação, os Palhaços-Éticos adoptaram um TRUQUE ENGENHOSO: alteraram a Lei da Nacionalidade... e... vão gerindo a entrada de imigrantes, e gerindo a atribuição da nacionalidade: «'ninguém' pode dizer que as Pensões de Reforma dos Palhaços-Éticos europeus estão a ser pagas por estrangeiros'!!!'»

9:41 da tarde  
Blogger Sergy tornou público que...

pvnam, explica-me outra vez como se eu fosse mesmo muito burro...é que a priori, a meu ver o teu comment, totalmente irrelacionado com o meu post parece-me propaganda xenófoba. E eu não gosto de difundir teorias extremistas no meu blog, sejam de que quadrante forem!

10:26 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home