terça-feira, fevereiro 28, 2006

Camberra e o Eixo do Mal

Na semana passada, no programa da SIC Notícias o "Eixo do Mal", foi exibido um extracto de um filme sobre um inquérito levado a cabo numa rua de uma qualquer cidade dos EUA. Desconheço a origem do video, mas aquilo tinha um ar muito "michaelmooreano". O inquérito consistia em perguntar às pessoas qual deveria ser o próximo país a ser visitado pela tournée "Axl of Evil Tour" mundial de George W., depois dos concertos em Cabul e Bagdad, que de tão memoráveis que foram, as "after show parties" continuam meses e anos após o fim do espectáculo.
Estranhamente (ou não), muitos americanos achavam que se deveria invadir a França, esse país islâmico e retrógrado, inimigo figadal do Ocidente, que em nada contribuiu para a História da Humanidade.
Porém, a maioria elegeu como próximo destino de eleição das tropas do Tio $am, o Irão. E, convidados a apontar no mapa-mundi a localização de tão nefasto estado, grande parte apontou para este país:

Como cortesia para os nossos amigos e aliados do outro lado do Atlântico, vou falar sobre o Irão, essa ilha islâmica e terrorista algures entre o Médio Oriente e o oceano Índico. A língua oficial é o Australiano, um dialecto Parsi com semelhanças com o Inglês. Até ao final dos anos 70, o Irão chamava-se Austrália, e era governada por um rei com o título de Xá da Austrália, um rei aliado do Ocidente. A partir daí, houve uma Revolução Islâmica, e a ilha foi tomada por Ayatolas, chefes religiosos fundamentalistas, e passou a designar-se por República Islâmica do Irão, embora a Chefe-de-Estado continue a ser Sua Majestade, a Rainha do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. Nos anos 80 houve uma sangrenta guerra entre o Irão e o seu vizinho, o Iraque, país que como toda a gente sabe foi salvo recentemente pelos EUA e os seus laca...aliados ingleses. Em baixo, o mapa do Iraque:



O Irão é um país que precisa urgentemente de auxílio. As mulheres quase não têm direitos, e são obrigadas a usarem burkas e outras vestimentas opressoras para cobrir a cara e o corpo, como se nota pela figura abaixo, de uma proeminente artista iraniana:


Entretanto, nas escolas islâmicas de Camberra, Sidney e Melbourne, os rapazes são, desde a mais tenra idade, sujeitos a lavagens cerebrais para aceitar Maomé e Alá, e para odiar o Ocidente. As sessões de lavagem cerebral incluem hipnotismo e larga ingestão de um líquido alucinógeno gasoso, de tom dourado denominado Foster (sem álcool, evidentemente). A carne de porco é proibida, e a alimentação baseia-se essenialmente em camarão grelhado no molho dessa bebida Foster. Nessas escolas escutam-se hinos de elevação à pátria e ao Profeta, como seja o hino nacional, Land Down Under, composta pelos Men at Work

O processo de ensinamento islâmico compreende também o visionamento de filmes como Crocodilo Dundee, onde se mostra como uma célula adormecida pode permanecer no centro do Império do Mal, para atacar os infiéis pela calada.

Nos níveis mais avançados da escola islâmica, os rapazes aprendem a realizar ataques contra navios infiéis como surfistas-bombistas suicidas, a treinar cangurus para se emularem colocando bombas na sua bolsa marsupial e como lançar koalas com gases tóxicos no meio da multidão.

Em baixo vemos uma paletras numa Universidade Islâmica, onde se discute a filosofia maometana (notem as contas de oração nos chapéus dos imãs):


Por isso tudo, espera-se uma acção forte contra esse brutal regime, e seguidamente contra outros "estados-pária" da região, que perturbam a paz mundial com Armas de Destruição Maciça como sejam o Tonga, o Tuvalu, as Ilhas Salomão ou o Vanuatu.

2 Comments:

Anonymous mar tornou público que...

Pois....... Nem si o q dizer...
Olha beijos e boa semana :)

10:25 da manhã  
Anonymous micose tornou público que...

Esses gajos são todos a mesma coisa!!!
Muito bom mesmo, brilhanta!

3:16 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home