segunda-feira, dezembro 19, 2005

in "Dependência Cultural" - vol. I

Para todos aqueles que se revoltam contra (e mais, ficam preocupados pela) institucionalização oficiosa da festa de Halloween pelos miúdos das sociedades europeias em geral e da portuguesa em particular, bem como pela adopção de certas e determinadas tradições, símbolos e ícones do imaginário natalício anglo-americano, como mais uma prova irrefutável da nossa vassalagem cultural face ao tio Sam, eu digo...

"Deixem lá, quando começarmos a festejar o 4 de Julho, e o Dia de Acção de Graças, aí sim, fico preocupado!"