quinta-feira, junho 09, 2005

Negra Beleza

"Forever young in a ground so cold

The splendor of your death still fresh to behold"

MOONSPELL

Há dias perto de minha casa, encontrei este passarinho morto...o pobre foi talvez a vítima inocente dos jogos sádicos e mortíferos de um cruel felino urbano, dos muitos que vivem nas ruas e nos jardins das casas do Amial...
O que me levou a publicar esta macabra foto (para além de eu não bater muito bem dos cornos, para o caso de ainda não terem percebido?)(ah, se pensam que isto é mau, até se vão grizar quando virem o que eu planeio publicar em breve)?
A resposta é simples...eu achei isto belo...achei o passarinho belo, no seu momento final...os poetas cor-de-rosa troam louvores à beleza da Natureza...como se a beleza natural fosse bela, e sem pecados...a Natureza é cruel...este passarinho foi morto não para acalmar a fome de um qualquer mamífero superior, mas por puro e sádico deleite de um gato...provavelmente um gato fofo, que gostaríamos de acariciar...como é que o que é belo pode se revelar de tamanha crueldade? Que contradicção inquietante...e contudo, maravilhosa...quanto ao passarinho, eu preferia tê-lo conhecido em vida...seria belo, chilreando docemente, juntando-se a um coro dos seus irmãos, a entoar uma canção em honra dos límpidos e azulados topos celestiais da Primavera...gostaria de o ter visto, belo e em vida, e por certo teria me inspirado carinho...e no entanto...achei-o lindo também...encontrei beleza na sua morte...e há beleza na morte também...há dor, há pranto...mas também beleza...e é uma beleza inocente, quasi-infantil, não a beleza assassina dos predadores...o corpo destroçado do passarinho, re-arranjado segundo um padrão bio-impossível comoveu-me...e de certa forma, também me provocou carinho!

(ok, ok, eu qualquer dia começo a terapia...)

10 Comments:

Blogger Sergy tornou público que...

Uma vítima da violência urbana...

10:21 da tarde  
Blogger Goth Mortens tornou público que...

Conta-me o que estás a pensar publicar!

3:58 da tarde  
Blogger Sergy tornou público que...

A foto de Mary Kelly!
Londres, 1887...ring a bell??;)

3:59 da tarde  
Blogger Sergy tornou público que...

Porém não será gratuitamente...só quando eu tiver um texto que eu considere adequado.

4:06 da tarde  
Blogger No Pants Jimmy Jamma tornou público que...

Jack's little playmate?
Urgh...
Avisa para eu não passar por cá nesse dia, 'k?

1:03 da manhã  
Blogger H. tornou público que...

o teu post causou polémica na minha cabeça. porque a imagem é brutal mas o que escreveste é verdade. lembrou-me uma cena d'As Horas' em que a Virginia Woolf se deita ao pé de um pássaro morto e a cena é mesmo indiscritível, é de uma beleza poética mesmo. talvez seja essa a eterna dicotomia medo/fascínio ligada à morte. por que tantas vezes ela dá imagens lindíssimas. (agora estou-me a lembrar de umas quantas mortes poéticas do 'Sin City' ou da morte do Bill no 'Kill Bill'...)

12:12 da tarde  
Blogger magicgypsy tornou público que...

Tudo o que seja grandioso- e a morte é - exerce sempre fascínio. O horrendo -se mostrado de forma não gratuita - pode ser deslumbrante.

8:43 da tarde  
Blogger Calvin tornou público que...

Sergy, desculpa lá mas deleite sádico é uma exclusividade humana. Os gatos matam para comer. Se o pássaro estava apenas morto sem sinais de ter sido comido é porque estaria doente, ou pelo menos o seu sabor deve ter dado essa sensação ao gato.
Projectamos os nossos medos e receios no que vemos? Acho que sim.
Um grande abraço. :o)

2:32 da manhã  
Blogger Sergy tornou público que...

Calvin, eu tb adoro gatos...mas sabes que eles gostam de brincar com a comida...:)

Magic, o horrendo, como tudo que foge à regra é fascinante!

Lost, Sin City e Kill Bill são dois dos meus filmes favoritos!
E as mortes lá imaginadas são belas!

4:43 da manhã  
Blogger Goth Mortens tornou público que...

A foto da Mary Kelly esquartejada eu já tenho, e tu sabes. Tenho dela e das outras todas! Mas aguardo ansiosamente o texto que vais publicar a acompanhar.

12:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home