segunda-feira, janeiro 31, 2005

Quimeras Oníricas

Já pensaram para pensar que estranhos são os sonhos? Eu não pretendo entrar aqui pela via mística da interpretação dos sonhos ou pela via psicanalítica de os sonho serem desejos ou medos recalcados, fruto de experiências vividas, ou projeções do que gostaríamos de ter ou atingir.
Eu pretendo seguir um caminho algo meta-físico. Penso que todos nós já sentimos isto : quando estavamos a ter um sonho tão bom, e é uma tristeza acordar porque estavamos realmente convencidos no nosso subconsciente que estávamos a viver essa boa situação...ou quando estamos a ter um pesadelo, real ou surrealista e o alívio é grande ao acordarmos, e inclusive chegamos a tremer, porque o que acabamos de viver parecia tão...REAL!
Porque é que o nosso subconsciente se auto-ilude tão facilmente com imagens e sons gerados no seu interior (aproveito para dizer que está provado que os sonhos podem ser a cores ou a preto-e-branco, com som ou sem som. Os meus são sempre a cores e com dolby sense-around!)? Acaso é nosso cérebro tão fraco que se hipnotiza com miragens nocturnas, cantos de Sereias de Morfeus, quimeras oníricas?
Por vezes penso que dormir é algo estranho. É um estado de animação suspensa, letargia quase total e temporária, como se fosse um ensaio para a grande estreia, que é a Morte. A morte sempre esteve de alguma maneira associada ao sono. As freiras da Idade Média dormiam em caixões! E podiamos referir o sono entre a morte e a vida dos Vampiros, o sono da Branca de Neve e da Bela Adormecida. O sono sempre provocou nos homens fascínios e interrogações quase tão grandes como a morte e o amor!
Eu vejo as coisas deste género...o sono é algo transcendental, um ritual de passagem. Quando adormecemos, o nosso cérebro (ou o espírito, ou o que quer que seja) é transladado para uma realidade alternativa. Essa realidade é interna. E apesar de não ser fisicamente tangível, não quer dizer que seja menos verdadeira que a Natureza que nos rodeia.
É verdadeira e real, porque o nosso subconsciente assim quer que seja. Os sonhos não são miragens, são apenas outro plano de existência:

PS - a minha tara da semana é a filosofia metafísica

3 Comments:

Blogger Sir Paul Cezar tornou público que...

os melhores sao os sonhos molhados!!!!

2:54 da tarde  
Blogger Miss I tornou público que...

Devo dizer que o comentário acima me provocou a primeira gargalhada da noite!

Também sonho a cores, com som e há pouco tempo descobri que até consegui cheirar um bife.. o nosso cérebro é mesmo espantoso!! De qualquer modo, os meus sonhos favoritos são aqueles em que sonho acordada. Assim eu faço o que me apetece, tenho o que quero e mesmo que metade não se torne realidade, não posso dizer que não me senti na situação!

8:52 da tarde  
Blogger Sergy tornou público que...

Os sonhos molhados são óptimos!
Os acordados são porreiros, excepto quando estamos a conduzir ou a atravessar uma rua, Miss I!:)

11:38 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home